Consumo de crack entre crianças e adolescentes aumenta 30% em ST

22 de setembro de 2011
Por

A medida que aproxima-se o Dia das Crianças – 12 de outubro – a desesperança e os conflitos familiares crescem em Serra Talhada. Segundo dados do Conselho Tutelar dos Direitos da Criança e Adolescente na Capital do Xaxado - o consumo de drogas entre crianças e adolescentes vem crescendo de forma geométrica. Em particular, o consumo do crack, que teve um crescimento em torno de 30% com relação ao mesmo período do ano passado.

“Atendemos diariamente entre 10 a 12 casos. A maioria refere-se às drogas, em particular, ao crack. São mães que chegam aflitas em busca de apoio e solução. É realmente uma situação muito difícil”, declarou Iara Nunes, Conselheira Tutelar. Ela informou que o papel do órgão resume-se em fazer o registro e encanminhar às crianças para um tratamento adequado.

“A maioria são levadas ao Centro de Atenção Psicossocial (CAPS-AD) recém inaugurado pela prefeitura. Há casos de crianças de 11 anos de idade que já se encontra viciada”, lamentou Iara. Ela não quis revelar os bairros que se destacam no consumo de drogas mas o FAROL apurou que o Mutirão e a Borborema- periferia de Serra Talhada- são campeões neste quesito.

O crack é uma droga geralmente fumada, feita a partir da mistura de pasta base de cocaína. Na prática, é uma forma impura de cocaína e possui poder letal. Ela atinge o sistema nervoso central em apenas 10 segundos e tem um efeito que dura entre 3 a 10 minutos.

 As políticas públicas ora existentes na Capital do Xaxado ainda são tímidas e pouco eficazes com relação a oferta de tratamento ao viciados em drogas. Por fim, o combate enérgico ao tráfico nas comunidades não funciona na velocidade em que os casos aparecem.

Tags:

5 Respostas para Consumo de crack entre crianças e adolescentes aumenta 30% em ST

  1. francisco xavier on 22 de setembro de 2011 às 20:01

    Interessante como o jornalista tende a tentar culpar o poder público municipal pelos males que afetam a sociedade. Não posso concordar com a afirmação do jornalista de que: “As políticas públicas ora existentes na Capital do Xaxado ainda são tímidas e pouco eficazes com relação a oferta de tratamento ao viciados em drogas”.
    Como relata a propria conselheira tutelar, o municipio agiu para combater as consequencia das drogas, implantando um CASP – AD, mas falta a sociedade encarar de frente o problema social das drogas, e não ficar esperando o poder público, que emmuitos dos casos apenas agrava o uso das drogas. Registresse que muitas das vezes busca-se as drogas como meio de chamar a atenção, causando assim a dependencia.

  2. francisco on 22 de setembro de 2011 às 23:31

    Tenho que concordar com o meu xara, é muito fácil culpar o poder público municipal…..mas o que nós como sociedade fazemos para colaborar….com a palavra…….Respeito muito o Farol onde sou leitor assíduo, mas acho que nesta caso a reportagem foi tendenciosa.

  3. ANA MOURATO on 23 de setembro de 2011 às 9:27

    O problema do crack, bem como de outras drogas, é do conhecimento de todos que é um problema social, todos, sociedade, Igrajas, poder público, órgãos, policias, Ministério Público Estadual e Federal, Poder Judiciário Estadual e Federal, devem unir forças e encarar essa realidade como um problema a ser combatido com firmeza, identificando, desartilucando e punindo os fornecedores.

  4. amiguinho on 23 de setembro de 2011 às 9:57

    Também concordo com os meus colegas acima, realmente é muito facíl criticar. Eles deviam procurar conhecer o que a Prefeitura tem de Politicas Públicas implantadas na Cidade, onde não conhecemos na região. Foi inaugurado o CAPS-AD, o CAUD também está pronto para ser inaugurado faltando apenas alguns detalhes e que funciona próximo aos bombeiros, temos o Núcleo de Medidas Socioeducativas, temos em cada Bairro um CRAS com Profissionais como Psicologo e Assistentes Socias. Então eles deviam visistar e conhecer cada Instituição dessa e procurar saber como pode ser feito o encaminhamento.

  5. PATRICK on 23 de setembro de 2011 às 10:47

    CONCORDO COM O JORNALISTA, NÃO VAMOS SER HIPÓCRITAS E DEFENDER A B OU C, POIS O PODER PÚBLICO PODERIA AGIR MUITO MAIS DO QUE VEM AGINDO. QUANDO FALO PODER PÚBLICO NÃO ESTOU FALANDO SÓ EM POLÍTICOS, MÁS EM SEGURANÇA, JUDICIARIO, E OUTROS QUE DEVERIAM SE UNIR JUNTO COM A SOCIEDADE PARA ACABAR COM ESTA PRAGA.POIS INFELIZMENTE A SOCIEDADE NÃO TEM FORÇAS PARA AGIR SEM UM APOIO FORTE…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *